sexta-feira, 12 de abril de 2013

A PEC do Trabalho Domestico no Teatro e no Cinema



"Uma história que nos é familiar." É assim que o crítico Marcelo Janot começa retratando a recente Emenda Constitucional que garante mais direitos aos empregados domésticos veio carregada de polemicas, principalmente por parte dos empregadores. Depois de séculos do fim da escravidão há uma regulamentação constitucional para os trabalhadores domésticos que antes eram discriminados, no sentido de ter menos direitos e proteção do que os demais.

Chegou nas telas dos cinemas, muito por conta desse debate, o filme "A Criada". Uma produção chilena que conta um pouco da realidade das domésticas no país.  Na produção, os patrões não são vilões escravagistas, e as empregadas não são vistas como almas puras e indefesas. O que está em pauta não é a representação dos conceitos de vilania e vitimização dentro da relação profissional estabelecida, mas o que a presença daquele ser tão próximo e, ao mesmo tempo, tão distante da vida da família significa tanto para a empregada quanto para os patrões.

Nos teatros também há a produção de "As Domésticas"Com texto de Renata Melo e José Rubens Siqueira, o espetáculo narra de forma irreverente e emocionante os medos, paixões, sonhos, frustrações e peripécias de algumas empregadas domésticas. Sob direção da também atriz Bianca Byington, o elenco interpreta depoimentos desses verdadeiros “personagens da vida real”.

Depois da PEC diversas textos, matérias de jornal e artigos surgiram levantando aspectos positivos e outros, mas na ótica dos empregadores, visando o lado negativo da decisção. Como contribuição deixamos a indicação de dois excelentes textos, que focam principalmente no lado histórico do emprego doméstico no Brasil. Um deles é do Professor da Casa Claudio Pereira Souza  Neto: Emenda Constitucional 72 tem incidência imediata e o outro do Procurar de Justiça do Rio Grande do Sul Lenio Streck com o texto: A PEC das Domésticas e a saudade dos "bons tempos". Que retrata como a figura da emprega foi construída historicamente e socialmente.




Um comentário: